As Casas

26/03/2011

Ildásio Tavares

As casas desta cidade,
suas coroas farpadas,
são cemitérios
de vivas almas penadas.

Escondidas por detrás
destes espinhos,
os seres desta cidade
em túmulos fazem ninhos.

Os seus projetos
de cama e mesa propícia
são dirigidos por máquinas
de engrenagem subreptícia.

E, assim, nas rodas,
das rodas gira
quem muito te ama
e te admira.

_________________

Ildásio Tavares inaugura a coluna de poesia,  assinada por Muadiê Maria ou Martha Galrão ou vice-e-versa. O objetivo é publicar gente conhecida ou não.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: