O bairro é 2 de Julho. Santa Tereza é empulhação

30/06/2012

Os impactos dos projetos no 2 de Julho e as medidas de salvaguarda da população estarão na pauta dos debates da Audiência Pública sobre o bairro marcada para o próximo dia 12 de julho, a partir das 17h, no Centro Cultural da Câmara Municipal de Salvador (Praça Thomé de Souza). O evento será precedido de uma visita ao bairro e entorno com a Relatoria Nacional de Direito Humano à Cidade em Áreas do Centro Antigo de Salvador para apurar denúncias de violação de direitos humanos.

A populaçao local está apreensiva com anunciado propósito da prefeitura de promover intervençoes na área. As urbanistas Laila Mourad e Glória Cecília Figueiredo – esta diretora presidente da Sociedade Brasileira de Urbanismo – denunciam neste texto (http://pt.scribd.com/doc/98753367/O-Bairro-e-2-de-Julho) a submissão da prefeitura aos interesses de duas empresas estrangeiras que tornaram-se proprietária de uma área de 15ha na região, onde pretendem instalar um empreendimento denominado Santa Tereza.

“Na contramão das disposições institucionais, legais, constitucionais e urbanísticas que garantem os direitos sociais e o direito à cidade, o Projeto de Humanização do Bairro Santa Tereza, de iniciativa da Prefeitura Municipal de Salvador, apresenta fortes indícios de uma intervenção que assume explicitamente interesses econômicos das empresas Eurofort Patrimonial e RFM Participações, em detrimento do interesse coletivo e das demandas e necessidades do conjunto de moradores e usuários do Centro Antigo, especialmente do Bairro 2 de Julho”, escrevem.

Para atender aos interesses das empresas, a prefeitura lançou um “Projeto de Humanização do Bairro Santa Tereza” que tem “majoritariamente a mesma abrangência territorial e delimitação que o projeto do Cluster Santa Tereza”. Neste projeto a prefeitura desenvolve argumentaçao que nega os direitos, os valores, as expressões simbólicas dos moradores daquela região. Como apontam Glória Cecilia e Murad estamos diante, mais uma vez, da concepçao excludente do urbanismo corporativo praticado pelas empresas e pela prefeitura.

“A natureza desta concepção já detonou vários processos de segregação, gentrificação e expulsão de populações vulneráveis, moradora e usuária do Bairro 2 de Julho”, denunciam para reiteraraem: “Este projeto que toma a cidade como mercadoria é inadmissível do ponto de vista de Política Urbana, dos direitos humanos, do direito a cidade para todos. Transformar o Bairro 2 de Julho num espaço para gerar lucros imobiliários, remoção de atividades e populações de menor renda e abertura de frentes de expansão imobiliária para o capital corporativo é esta proposta que a Prefeitura de Salvador está investindo. É inconcebível a submissão do planejamento urbano e gestão da cidade a essa concepção.

“Mas antes que se perguntem quais os caminhos possíveis para combatermos a este desejo de gentrificação por parte da Prefeitura e do Mercado Imobiliário, é bom que fique claro que os moradores, frequentadores, comerciantes formais e informais, feirantes, população em situação de rua, – “todos nós” queremos que o 2 de julho tenha uma melhor qualidade urbanística. A questão é que queremos uma intervenção conduzida para o interesse público do conjunto dos cidadãos, orientada pelos princípios que bem descreveram diversos intelectuais e militantes sociais. Consertar sem destruir, refazer sem desalojar, reciclar, restaurar, restituir a estima pública, criar a partir do que está dado, manter o tecido urbano o mais inalterado possível, valorizar a vida econômica, cultural e social, realizar adaptações necessárias nos equipamentos, na infraestrutura e espaços públicos, melhorar as condições de habitabilidade dos imóveis existentes, mantendo usos e a população da área. Ou seja, reafirmar o Bairro 2 de julho como o lugar da resistência, restituindo seu patrimônio cultural, social, econômico, mantendo a população e usos da área por meio de um processo muito participativo”, finalizam.

A audiência p;ública será coordenada pela deputada Maria del Carmen e pela vereadora Marta Rodrigues, ambas do PT.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: