CachoeiraDoc conecta Recôncavo com o mundo

19/11/2012

O III CachoeiraDoc – Festival de Documentários de Cachoeira realizado entre 04 e 09 de dezembro de 2012 na cidade de Cachoeira, Bahia, mais precisamente no Centro de Artes, Humanidades e Letras (CAHL) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Em parceria com o Curso de Cinema e Audiovisual dessa mesma Universidade, o Festival abrigará três mostras – Mostra Competitiva Nacional, Mostras Especiais, Ciclo de Conferências e Oficinas.

Nas duas edições anteriores cerca de 4500 pessoas assistiram um total de 85 filmes documentários (73 nacionais). Na Mostra Competitiva Nacional, ao todo, foram inscritos 356 filmes de todas as regiões do país. Entre os 43 selecionados, 13 eram médias ou longas metragem e 30 curtas metragem.

Em duas edições foram exibidos filmes de consagrados realizadores internacionais, tais como Agnès Varda, Johan Van der Keuken, Pedro Costa, Nicholas Klotz e Avi Mograbi, cujas obras são essenciais ao entendimento da história do documentário mundial.

Os participantes do festival tiveram a oportunidade de conviver e dialogar com experientes documentaristas, como Geraldo Sarno e Vincent Carelli, e com alguns dos mais importantes pesquisadores do gênero no Brasil, como Consuelo Lins, Cesar Migliorin, André Brasil e Eduardo Valente, bem como com jovens promissores e premiados, a exemplo de Marcelo Pedroso, Henrique Dantas e Ariel Ortega.

O Festival promove o intercâmbio de ideias e incentiva que a cidade Cachoeira e o estado da Bahia conectem-se ao mundo através do cinema. Para tanto, foram programadas 05 oficinas e 09 mesas-redondas, que ocuparam lugar de destaque na programação.

Mostra Vídeo nas Aldeias

Retrospectiva comemorativa dos 25 anos do Vídeo nas Aldeias. Fundado em 1987, o projeto é pioneiro na formação de cineastas indígenas no Brasil, com longa e bela trajetória e filmografia em que os índios brasileiros, ao mesmo tempo em que produzem suas próprias narrativas e imagens de si mesmo, lançam-se numa (re)elaboração da identidade de seus povos e questionam o lugar de alteridade que tradicionalmente ocuparam, nos conduzindo a questionar também nosso lugar enquanto espectador.

Mostra Caros Diários

A Mostra reunirá, em três sessões, documentários antológicos em primeira pessoa de consagrados cineastas e artistas internacionais. São filmes ensaísticos, que desafiam as fronteiras entre o íntimo e o político, e nos permitem pensar o lugar da subjetividade no documentário, bem como o papel do cotidiano nas narrativas contemporâneas.

Oficinas

Oficina de Metodologias de Formação em Audiovisual
Ementa: Fundado em 1987, o Vídeo nas Aldeias é um projeto pioneiro na formação de cineastas indígenas no Brasil. Com longa e premiada trajetória e filmografia, trata-se de projeto que se inicia como registro audiovisual a serviço de lideranças indígenas preocupadas com a perda do seu patrimônio cultural, e que se transformou aos poucos numa escola de cinema para povos indígenas.
A oficina tem como objetivo apresentar reflexões metodológicas sobre a experiência internacionalmente reconhecida do Vídeo nas Aldeias em formação audiovisual, com vistas à elaboração de um pensamento propositivo voltado para a prática. Espera-se fomentar a autorrepresentação em comunidades tradicionais e/ou minoritárias e a apropriação da tecnologia audiovisual como instrumento de fortalecimento da identidade/diferença.

Data: de 05 a 07 de dezembro de 2012.
Horário: dias 05 e 06, de 9h às 13h. Dia 07, de 09h às 11h
Carga horária: 10 horas
Local: Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Público-alvo: voltada para estudantes e profissionais da área de audiovisual, indígenas, indigenistas, educadores, professores, arte educadores, antropólogos, estudantes de humanidades e pedagogia, integrantes de movimentos sociais.
Valor: oficina gratuita
Vagas: 40 (clique aqui para se inscrever)

Ministrante: Vincent Carelli
Vincent Carelli, que completou em 2012 quarenta e três anos de indigenismo, iniciou em 1987 o projeto Vídeo nas Aldeias, um projeto que coloca o vídeo a serviço dos projetos políticos e culturais dos índios. Carelli produziu então uma série de 16 documentários sobre os métodos e impactos deste trabalho. “A Arca dos Zo’é”, seu filme mais conhecido, recebeu vários prêmios, entre eles o de melhor filme nos Festivais de Tóquio e do Cinéma du Réel em Paris, e a trilogia “O Espírito da TV”, “A Arca dos Zo’é” e “Eu já fui seu Irmão” foi exibida por uma série de televisões públicas pelo mundo. Durante dez anos, Carelli participa do projeto que resultou na enciclopédia Povos Indígenas no Brasil do Instituto Socioambiental, o maior banco de dados sobre a realidade indígena contemporânea. Em 1999, Carelli recebe o Prêmio UNESCO pelo respeito à diversidade cultural e pela busca de relações de paz interrétnicas e em 2000, realiza a série de vídeos “Índios no Brasil” para a TV Escola do Ministério da Educação, uma introdução ao mundo indígena para estudantes. A série, com dez mil cópias distribuídas em escolas públicas, é reprisada há anos pelas redes públicas de TV, atingindo assim milhões de brasileiros. Carelli é hoje secretário executivo da ONG Vídeo nas Aldeias, que passou a ser uma escola de cinema para índios e um Pontão de Cultura subsidiado pelo Ministério da Cultura. Além de atuar como formador de realizadores indígenas e produtor de seus filmes, em 2009 o seu filme “Corumbiara”, que denuncia o genocídio de índios isolados em Rondônia, é o grande vencedor do Festival de Gramado, e de vários festivais nacionais e internacionais. A série de DVDs “Cineastas Indígenas”, distribuída no movimento popular e à venda em livrarias, foi distribuída gratuitamente para 2600 escolas de ensino médio, escola indígenas, espaços de formação de professores e pontos de exibição localizados em 800 cidades de todos os estados do país juntamente com um guia didático, dando visibilidade ao melhor da produção audiovisual de autoria indígena do VNA, e assim difundindo no país um novo olhar sobre a realidade indígena.

Curso “O processo criativo na montagem”
Promoção: CachoeiraDoc e CANNE (Centro Audiovisual Norte-Nordeste)

Ementa: O curso visa ao aprimoramento de noções de montagem voltada para o documentário, levando em conta as diversas matrizes estéticas com as quais o formato dialoga na contemporaneidade. Destinado a estudantes de cinema, realizadores e montadores com conhecimento de aspectos técnicos da montagem (conhecimento básico dos softwares Final Cut Pro ou Adobe Premiere), o curso propõe atividade de edição de material produzido previamente pelos alunos. Aspectos teóricos e práticos da montagem também serão discutidos a partir das atividades de edição, aliadas à análise de filmes e trechos de filmes exibidos.

Data: de 03 a 07 de dezembro de 2012
Horário: das 9h às 18h, com intervalo de 13h às 14h
Carga Horária:
40 horas 
Local:
Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Público-alvo: Estudantes de cinema, montadores e realizadores
Valor: curso gratuito
Vagas: 20 (clique aqui para se inscrever, inscrições abertas até o dia 21/11)

Objetivo do curso: Aprimoramento das noções de montagem dos alunos a partir de exercícios práticos, revisão teórica e discussão estética.

Critérios de seleção: Os candidatos devem preencher a ficha de inscrição neste link. É necessário ter conhecimento básico de montagem (nos softwares Final Cut Pro ou Adobe Premiere) e dispor, preferencialmente (mas esse não é um critério de exclusão), de material bruto já captado (em qualquer fase de montagem) a ser disponibilizado para trabalho em grupo com colegas sob supervisão e orientação do professor.

Ministrante: Marcelo Pedroso (PE)
Marcelo Pedroso teve trabalhos premiados em festivais brasileiros  de cinema como a Mostra Internacional de São Paulo, o CineEsquemaNovo e a Mostra do Filme Livre. Alguns de seus filmes também dialogam com o circuito de artes visuais, como Pacific e KFZ-1348, exibidos, respectivamente na Bienal de Artes de São Paulo e no Panorama de Arte Contemporânea do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Mestrando em cinema pela UFPE, Pedroso também dedica-se a atividades de formação, ministrando oficinas de audiovisual.

Oficina de Web Documentário
Ementa: A oficina promove uma introdução à linguagem audiovisual e capacitação para a realização de conteúdos documentais a serem veiculados pela internet, dividindo-se em duas etapas: 1) a linguagem audiovisual; 2) a produção de curtas-metragens documentais. Dialogando com as convergências de mídia e incentivando modos de concepção de imagens produzidas com o uso de dispositivos portáteis, a Oficina de Web Documentário se volta a mais um possível meio de expressão cinematográfica.

Data: 05 e 06 de dezembro de 2012
Horário: 14h às 18h

Carga Horária: 8 horas

Local: Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Público-alvo: Estudantes de escolas públicas de Cachoeira e São Félix

Vagas: 20

Valor: oficina gratuita
Ministrantes: Elen Linth e Camila Yallouz – Grupo de Estudos e Práticas do Documentário da UFRB.

http://www.cachoeiradoc.com.br/2012/

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: