Archive for the 'Educação' Category

Financiamento coletivo para finalizar documentário “Quilombo Rio dos Macacos”

11/07/2015
Foto de Maria Ester Pereira

Foto de Maria Ester Pereira

por Josias Pires

A participação pode se dar a partir de R$ 25,00, com recompensas.

E com apenas R$ 1 mil será exibida a logomarca da empresa como apoiadora do projeto na cartela de Apoio Cultural do filme.

Por que fazer financiamento coletivo? Seria prova da falência do realizador incapaz de captar os volumosos recursos disponíveis pelas leis, canais e dutos do sistema audiovisual brasileiro? Ou seria uma opção pertinente para um filme cujo compromisso com o mercadão do cinemão é zero? Porque este é o caso desse filme feito a partir da contribuição milionária de todos os erros, como diria o poeta modernista; com câmaras de celulares dos quilombolas, de variado material produzido por diversos cinegrafistas que se mobilizaram na cidade para acompanhar – sobretudo em 2012 – a tragédia, o drama, a existência de um fato encoberto há 40 anos, envolvendo uma das forças armadas brasileira, a Marinha do Brasil e um grupo de cidadãos espoliados em seus direitos.

Tomei conhecimento dessa história no começo de novembro de 2011 e o pequeno filme Quilombo Rio do Macaco estava pronto no final de dezembro. Depois daquele web-doc, continuamos a acompanhar o assunto. Em 2013 fizemos o projeto do longa metragem para o Edital do Audiovisual da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, em nome de pessoa física, fazendo jus ao financiamento no valor de R$ 100 mil, o teto de captação. Os recursos foram utilizados nas etapas de pesquisa, pré-produção, produção e montagem; e possibilitaram uma documentação sistemática e intensa da comunidade e do processo, da luta e da vida no território. Permitiram também fazer a pesquisa e recolhimento de material disponível em várias fontes; fazer a preparação da montagem, decupagem, transcrição, organização do material que totalizou mais 150 horas, em programas de edição; etc. e a montagem propriamente dita, que está em curso, nas mãos de Cristina Amaral. renomada montadora do cinema brasileiro.

O propósito é finalizar o filme – executar os serviços de edição de som, mixagem, aluguel de estúdio de som, serviços de correção de cor, arte / letreiros, título etc. – ainda este ano, de modo que no início de 2016 esteja nas telas, em salas de festivais e em todos os espaços e janelas possíveis. Para isto são necessários recursos da ordem de R$ 50 mil. É um filme urgente que além de documentar o processo social, pretende contribuir com a reflexão sobre o momento presente do país, sobre aspectos da natureza da crise em que estamos mergulhados. Dado essa urgência, optamos pela agilidade possibilitada pelo financiamento coletivo para cobrir, pelo menos, parte do orçamento. Sem descartar outras possibilidades de obtenção de recursos para as etapas de exibição e distribuição, o financiamento coletivo, neste momento, é a melhor opção.

Participe, colabore e ajude a levar esse filme às telas!

Isto é exercício de cidadania, solidariedade, participação.

Página da Campanha Benfeitoria.com:  http://beta.benfeitoria.com/docquilomboriodosmacacos

Filme curto feito em 2011: https://www.youtube.com/watch?v=bwUXjUzqU6w

Página do filme no Facebook  https://www.facebook.com/quilomboriodosmacacosofilme 

Pela extinção da PM

16/06/2013

Por Vicente Safatle,professor livre-docente do Departamento de filosofia da USP (Universidade de São Paulo).
Folha de S. Paulo

No final do mês de maio, o Conselho de Direitos Humanos da ONU sugeriu a pura e simples extinção da Polícia Militar no Brasil. Para vários membros do conselho (como Dinamarca, Espanha e Coreia do Sul), estava claro que a própria existência de uma polícia militar era uma aberração só explicável pela dificuldade crônica do Brasil de livrar-se das amarras institucionais produzidas pela ditadura.

No resto do mundo, uma polícia militar é, normalmente, a corporação que exerce a função de polícia no interior das Forças Armadas. Nesse sentido, seu espaço de ação costuma restringir-se às instalações militares, aos prédios públicos e aos seus membros. Leia o resto deste post »

Depoimento: Agressão/lesão corporal no interior da Escola Técnica Federal (depois Cefet e atual IFBA

19/01/2013

DSC00082

Por Ramón Lacerda

Olá, equipe do Bahia na Rede.
Queria contar um caso que aconteceu comigo na última quinta-feira, dentro das instalações do IFBA – Instituto Federal da Bahia, no campus Salvador, localizado no Barbalho.

Sou um aluno da instituição e estou cursando eletrotécnica, em nível técnico integrado, tenho dezessete anos e, além disso, participo de vários movimentos sociais contra alguns tipos de agressão e estagio no Tribunal Regional do Trabalho, 5ª Região.

Descritivamente, eu estava na PRAÇA VERMELHA, que é uma praça localizada dentro da instituição, onde os alunos geralmente passam o intervalo, que é MUITÍSSIMO movimentada ( e, estava no local que chamamos de “Aranha”), conversando sobre a minha aprovação para a segunda fase da UFBA com três colegas e, de repente, fui atingido por uma pedra de tamanho considerável no rosto (mais especificamente, na parte final da sombrancelha, cerca de 3cm de distância do olho direito). Sim, uma pedra. E sim, no rosto, numa área bem sensível, perto dos olhos.

O lesador (André Nascimento, 18 anos) foi um aluno do curso técnico de mecânica, na modalidade integrada, que SUPOSTAMENTE estava brincando de lançar pedras com os colegas da turma, nesta Praça Vermelha, que é uma brincadeira bem pesada pelo visto, já que atingiu uma pessoa (no caso, EU) que não tinha nada a ver com a “BRINCADEIRA” e que acabou lesionando de forma grave (VIDE FOTO) a região próxima a ocular no meu rosto. Leia o resto deste post »

Cipó lança “Ao pé do Caboclo” no Terreiro de Jesus nesta quinta

26/11/2012

Na próxima quinta-feira (29) a Cipó – Comunicação Interativa  lançará a Coletânea “Dois de Julho: a Independência do Brasil na Bahia”  composta por sítio eletrônico e DVD-ROM que reúnem: textos ilustrados, vídeos, animações, galerias de fotos e guia do educador.
No período de 1 a 11 de dezembro de 2012 a Cipó realizará Oficinas para Educadores, quando  disponibilizará cópias do DVD-ROM. Os interessados devem se inscrever por e-mail ou fone que constam no convite acima.

CIPÓ – Comunicação Interativa é uma organização séria, lúdica e afetiva. Contribui efetivamente com promoção de direitos de crianças, adolescentes e jovens, e, hoje, atingiu maturidade político institucional, sendo reconhecido publicamente por lutar pelo direito à educação de qualidade e à comunicação e pela garantia dos direitos de crianças, adolescentes e jovens.

A Cipó atua diretamente em comunidades populares, materializando o conceito de comunicação para o desenvolvimento. E investe fortemente em incidência política, entendendo que lutar por políticas públicas para crianças, adolescentes e jovens é tão importante quanto formá-los diretamente. E mais importante: a Cipó faz  tudo isso com uma rede consolidada de parceiros conquistados na área social, empresarial e governamental.

Vários foram os projetos já realizados por jovens através da Cipó, todos eles voltados para a pesquisa, formaçao e afirmaçao de manifestações populares da cultura que distinguem a Cidade da Bahia de Todos os Santos.

Susto nas escolas

10/10/2012

Marcus Gusmão

As páginas e comunidades Assim você me mata, inspiradas no refrão do sucesso Ai se eu te pego estão se multiplicando no facebook. Caras, bocas, peitos e peitorais de belas e belos são oferecidos para e contemplação e azaração geral ou para facilitar a vida dos stalkers, como  assume a página  Ufba, assim você me mata, criada há 17 dias, e já com 9 mil seguidores.

Domingo passado à noite a brincadeira descambou para o lado perigoso da chacota e surgiram as  páginas Assim você me mata, de susto, criadas por estudantes de dois dos principais colégios secundaristas da rede particular de Salvador.   Os criadores se autodenominaram humoristas e se dedicaram a ridicularizar os colegas que consideram feios. Em cada post o nome, a série e um comentário depreciativo.

Mas a  boa notícia é que as páginas do susto não resistiram à pressão dos colégios  e, principalmente, dos colegas,  que postaram  mensagens furiosas e denunciaram as páginas.  Apesar do entusiasmo inicial de um pequeno grupo, a iniciativa tirada a engraçadinha já nasceu morta. Mas se não houvesse uma reação talvez prosperassem.

Esta possibilidade de auto-regulação consiste ainda um ponto forte do facebook.

Contra a mais famosa das rede sociais pesa ainda a comercialização das informações postadas gratuitamente. E a  falta de controle do autor sobre quem vai ver o que foi mostrado. Esta escolha é do entendimento da máquina sobre as  afinidades do usuário.

A favor, a possibilidade de chegar às pessoas mais facilmente. Mesmo que haja muito perfil fake ou abandonado, um bilhão de almas conectadas  é de assustar.  Não por acaso empresas e instituições têm investido e contratado equipes para alimentar e monitorar suas páginas de marcas e produtos.

Muito se fala bem e mal do facebook. O episódio acima se alinha ao lado sombrio.

Oxalá criem algo melhor do que o facebook. É pra já.

Ilustração: http://bit.ly/Qo87jX

Pepe Mujica, presidente uruguaio, durante a Rio + 20

04/09/2012

Meu candidato a presidente da América Latina: “A grande crise não é ecológica, é política. Não viemos ao planeta para nos desenvolvermos, em termos gerais. Viemos para sermos felizes. E nenhum bem vale mais do que a vida! O hiperconsumo que agride o planeta exige que lutemos por uma outra cultura! Não podemos continuar sendo governados pelo mercado, temos que governar o mercado. O desenvolvimento não pode ir contra a felicidade. Tem que ser a favor da felicidade humana”.

A guerra suja só está começando

19/07/2012

Por Marcus Gusmão, do Blog Licuri

“Estou me comprometendo em, até amanhã, apresentar esse vídeo em que a servente, chorando, fala da humilhação que sofreu e do orgulho que sente em trabalhar para sustentar os seus quatro filhos”, promete o presidente da ALBA a um site sucursal de um programa de TV mundo cão.

O vídeo é só a sequência desta nota publicada hoje no jornal A Tarde. Todas as armas da guerra suja estão direcionadas para a desmoralização dos professores. Haja estômago. Leia o resto deste post »

Nobres?

18/07/2012

Por Marcus Gusmão, do Blog Licuri

Segunda à noite estive na Assembleia Legislativa. Fui como motorista da professora daqui de casa, depois de um alarme via internet de uma possível desocupação a força.

De fora, os professores na janela com suas bandeiras lembram um motim em presídio. Lá dentro, as barracas, as faixas, os colchões, passam um clima de ocupação estudantil. Sobre as caras circunspectas das fotos da galeria dos ex-presidentes da casa, faixas de protesto.

A ocupação daquele salão tem um simbolismo forte e materializa o encontro de duas realidades. Leia o resto deste post »