Posts Tagged ‘bahia singular e plural’

Marujada – Bahia Singular e Plural

19/03/2013

Por Josias Pires

“Marujada” é uma rapsódia, uma colagem que reúne, num longo espetáculo de dança, música, cantos e falas — que pode durar até dois dias -, fragmentos de velhos romances cantados portugueses e músicas tradicionais de variadas fontes. Foram gravadas para este documentário festas de marujada nos municípios de Paratinga, Saubara, Jacobina e Prado.

A Marujada, também conhecida como Chegança de Marujos, é um folguedo popular que embarca o espectador no imaginário das grandes navegações dos séculos XV, XVI e XVII. Tais navegações viabilizaram a expansão colonial de países europeus por novos continentes e proporcionaram o encontro de povos e as novas civilizações. Lançados ao mar, os homens da época criaram novos gêneros literários — como os relatos de naufrágios -, e novas canções, danças e dramas que se espalharam pelos novos mundos. Continue lendo »

Anúncios

Índios do Sertão – Bahia Singular e Plural

16/03/2013

Parte 1

Parte 2

Por Josias Pires
“Índios do Sertão” é o décimo quarto documentário da série “Bahia Singular e Plural”. Foram gravados para este programa o toré dos índios Kiriri de Mirandela, no município de Banzaê; o toré dos Tuxá de Rodelas; e a dança dos praiá, feita pelos Pankararé, de Nova Glória – estes dois últimos municípios localizados às margens do rio São Francisco, no norte da Bahia.

O documentário traça um panorama da história recente desses três povos indígenas da Bahia e, apoiado em depoimentos dos índios e dos antropólogos Pedro Agostinho, Maria do Rosário, José Augusto Sampaio e Marco Tromboni apresenta algumas questões relacionadas a situação dos índios do Nordeste. Houve uma época, por exemplo, que havia dúvidas acerca da própria existência de índios nessa região, pois se acreditava que eles teriam sido extintos durante o período colonial e que todos os seus descendentes estariam dissolvidos na sociedade envolvente e teriam assumido a categoria de “caboclos”. Continue lendo »

18/10/2012

Por Josias Pires
Cantos de trabalho são canções que acompanham as atividades produtivas manuais agrícolas ou urbanas, coletivas ou individuais. Em todo o mundo são numerosos os cantos de trabalho: as canções de fiar, canções de quebrar pedra, as canções de plantar e colher, as canções de remar, chamar o gado, apregoar, etc. São cantos que exprimem a profunda ligação entre a arte e a vida. Continue lendo »

Reisado Zé de Vale – Bahia Singular e Plural

17/10/2012

Por Josias Pires

Esta é uma das mais curiosas e surpreendentes manifestações da cultura popular do Nordeste. Ao contrários dos reisados tradicionais, nos quais o Menino-Deus e os Reis Magos são os personagens principais, no Reisado Zé de Vale o personagem principal é um bandido. Estamos diante de um folguedo que o professor Nélson de Araújo classificou como sendo uma espécie de “reisado dramático”, ligado à tradição dos romances de bandoleiros audaciosos, como o Cabeleira, famoso cangaceiro pernambucano do século dezoito, imortalizado pelo escritor Franklin Távora. Continue lendo »

Encontro de Reis da Chapada, Boninal, 2000

13/10/2012

Josias Pires

O “Encontro de Reis da Chapada / Reisado Zé de Vale” foi o décimo quinto programa da série “Bahia Singular e Plural”. Na Chapada filmamos o Encontro de Reis realizado em Boninal, em janeiro de 2000, que reuniu cantadores de Reis dos municípios de Boninal, Piatã, Seabra, Mucugê, Andaraí, Palmeiras, Utinga e Rio de Contas. O Reisado Zé de Vale foi gravado na cidade de Saubara, no Recôncavo e no povoado Gameleira, na Ilha de Itaparica.
Foi o quarto programa da série “Bahia Singular e Plural” sobre festas de Reis – depois de Festas e Folias de Reis, Folias de Negros, Burrinhas e Bumba-meu-boi. Aa festas de Reis, ao lado do Carnaval e do São João, estão disseminadas em todas as regiões da Bahia. Integram o calendário de festas de praticamente todos os municípios do estado. Além de ser ato de fé e de alegria, as cantorias de Reis desempenham importante papel de coesão social, de afirmação das identidades locais e de fortalecimento do grupos familiares e comunitários. Continue lendo »