Posts Tagged ‘Martha Galrão’

Cigarras

04/05/2011

Pensa, Whitman

21/04/2011

Pensa, Whitman, a poesia triunfou.
O homem só pode viver do que sonha,
e de sonhos é composta toda a trama Continue lendo »

Momentos poéticos baianos – 3

20/04/2011

Carro quebrou na 101, tivemos que pernoitar em Cachoeira, e o capô não queria abrir, acredita? O capô do carro não queria abrir!?! Continue lendo »

10 Pontes

19/04/2011

O livro de poesias 10 Pontes, o primeiro de Raiça Bomfim, com ilustrações de Vânia Medeiros, será lançado amanhã, 20, às 20 horas, no Bar D’Venetta, na Rua dos Adobes, 12, no Santo Antônio além do Carmo.  Clique na poesia acima para ler o restante do livro.

Momentos poéticos baianos – 2

02/04/2011

Hoje, no mercado, encontrei a peixaria sem atendente. Parei e fiquei esperando ele aparecer. Um funcionário que estava no box ao lado gritou para dentro do frigorífico:
– Davi, tem cliente aqui!
– É homem ou mulher? A voz de Davi ecoou.
– Mulher!
Imediatamente ele apareceu.


Momentos poéticos baianos

31/03/2011

Grande escola particular e católica em Salvador, 26 de maio de 2009. É dia de Maria, a imagem de Nossa Senhora vai para a sala de aula e é recebida com flores e velas. Um menino pergunta:
– Professora, faz o que com essas flores?
O colega responde:
– Joga no mar pra Iemanjá.

30/03/2011

Não sei quantos seremos, mas que importa?!
um só que fosse e já valia a pena.
Aqui,no mundo, alguém que se condena
A não ser conivente
Na farsa do presente
Posta em cena!

Não podemos mudar a hora da chegada,
Nem talvez a mais certa,
A da partida.
Mas podemos fazer a descoberta
Do que presta
E não presta
Nesta vida.

E o que não presta é isto,esta mentira
Quotidiana.
Esta comédia desumana
E triste,
Que cobre de soturna maldição
A própria indignação
Que lhe resiste.

Miguel Torga

As Casas

26/03/2011

Ildásio Tavares

As casas desta cidade,
suas coroas farpadas,
são cemitérios
de vivas almas penadas.

Escondidas por detrás
destes espinhos,
os seres desta cidade
em túmulos fazem ninhos.

Os seus projetos
de cama e mesa propícia
são dirigidos por máquinas
de engrenagem subreptícia.

E, assim, nas rodas,
das rodas gira
quem muito te ama
e te admira.

_________________

Ildásio Tavares inaugura a coluna de poesia,  assinada por Muadiê Maria ou Martha Galrão ou vice-e-versa. O objetivo é publicar gente conhecida ou não.