Archive for the 'História' Category

XXXVI MARCHA DA CONSCIÊNCIA NEGRA ZUMBI DOS PALMARES 20 de NOVEMBRO

19/11/2015
Foto Fernando Vivas Ag. A Tarde

Foto Fernando Vivas Ag. A Tarde

A partir das 14s no Campo Grande começará a concentração da grande marcha da consciência negra de Salvador. Neste ano foram destacadas pela CONEN os temas da Década Internacional Afrodescendente e “Reconhecimento, Justiça e Desenvolvimento”. Uma personagem especial estará sendo homenageada pela Marcha, o líder negro norte-americano Malcom X, assassinado em 1965, portanto há 50 anos.

COORDENAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES NEGRAS – CONEN                                                                                                                                               FÓRUM CONEN – BAHIA

Novembro : mês da consciência negra conen 2015

XXXV MARCHA DA CONSCIÊNCIA NEGRA ZUMBI DOS PALMARES

2015 – 2024 : DÉCADA INTERNACIONAL AFRODESCENDENTE                 “ RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO ”

1925 – 2015 : 50 ANOS SEM MALCOLM X

1995 – 2015 : JORNADA NACIONAL CONEN ZUMBI +20

  Leia o resto deste post »

Revista Muito publica reportagem de capa sobre Quilombo Rio dos Macacos

20/07/2015

muito capa

“Impasse histórico” e “Terra partida” são os títulos da reportagem de capa da revista Muito (jornal A Tarde), escrita por Tatiana Mendonça, com fotos de Fernando Vivas, publicada domingo (19). O texto mostra o isolamento, o desamparo e a precária qualidade de vida dos quilombolas de Rio dos Macacos, e a resistência daquelas pessoas em sua longa convivência conflituosa com a Marinha do Brasil. A repórter teve a oportunidade de acompanhar mais uma das inúmeras reuniões dos quilombolas com representantes do governo federal na tentativa de encontrar solução para o impasse; e pontua uma das questões principais neste momento: a intransigência da Marinha em recusar a proposta de uso compartilhado das águas da barragem de Rio dos Macacos. Construída no final da década de 1950, a barragem deveria servir à Marinha e aos moradores de Paripe, segundo previa o documento da prefeitura de Salvador que doou a área para a Marinha. Apesar dos quilombolas sempre terem usado as águas da barragem para abastecimento e pesca, hoje a Marinha quer proibir o uso daquelas águas pela comunidade. Leia a reportagem completa.

https://blogbahianarede.files.wordpress.com/2015/07/impasse-histc3b3rico.pdf 

Financiamento coletivo para finalizar documentário “Quilombo Rio dos Macacos”

11/07/2015
Foto de Maria Ester Pereira

Foto de Maria Ester Pereira

por Josias Pires

A participação pode se dar a partir de R$ 25,00, com recompensas.

E com apenas R$ 1 mil será exibida a logomarca da empresa como apoiadora do projeto na cartela de Apoio Cultural do filme.

Por que fazer financiamento coletivo? Seria prova da falência do realizador incapaz de captar os volumosos recursos disponíveis pelas leis, canais e dutos do sistema audiovisual brasileiro? Ou seria uma opção pertinente para um filme cujo compromisso com o mercadão do cinemão é zero? Porque este é o caso desse filme feito a partir da contribuição milionária de todos os erros, como diria o poeta modernista; com câmaras de celulares dos quilombolas, de variado material produzido por diversos cinegrafistas que se mobilizaram na cidade para acompanhar – sobretudo em 2012 – a tragédia, o drama, a existência de um fato encoberto há 40 anos, envolvendo uma das forças armadas brasileira, a Marinha do Brasil e um grupo de cidadãos espoliados em seus direitos.

Tomei conhecimento dessa história no começo de novembro de 2011 e o pequeno filme Quilombo Rio do Macaco estava pronto no final de dezembro. Depois daquele web-doc, continuamos a acompanhar o assunto. Em 2013 fizemos o projeto do longa metragem para o Edital do Audiovisual da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, em nome de pessoa física, fazendo jus ao financiamento no valor de R$ 100 mil, o teto de captação. Os recursos foram utilizados nas etapas de pesquisa, pré-produção, produção e montagem; e possibilitaram uma documentação sistemática e intensa da comunidade e do processo, da luta e da vida no território. Permitiram também fazer a pesquisa e recolhimento de material disponível em várias fontes; fazer a preparação da montagem, decupagem, transcrição, organização do material que totalizou mais 150 horas, em programas de edição; etc. e a montagem propriamente dita, que está em curso, nas mãos de Cristina Amaral. renomada montadora do cinema brasileiro.

O propósito é finalizar o filme – executar os serviços de edição de som, mixagem, aluguel de estúdio de som, serviços de correção de cor, arte / letreiros, título etc. – ainda este ano, de modo que no início de 2016 esteja nas telas, em salas de festivais e em todos os espaços e janelas possíveis. Para isto são necessários recursos da ordem de R$ 50 mil. É um filme urgente que além de documentar o processo social, pretende contribuir com a reflexão sobre o momento presente do país, sobre aspectos da natureza da crise em que estamos mergulhados. Dado essa urgência, optamos pela agilidade possibilitada pelo financiamento coletivo para cobrir, pelo menos, parte do orçamento. Sem descartar outras possibilidades de obtenção de recursos para as etapas de exibição e distribuição, o financiamento coletivo, neste momento, é a melhor opção.

Participe, colabore e ajude a levar esse filme às telas!

Isto é exercício de cidadania, solidariedade, participação.

Página da Campanha Benfeitoria.com:  http://beta.benfeitoria.com/docquilomboriodosmacacos

Filme curto feito em 2011: https://www.youtube.com/watch?v=bwUXjUzqU6w

Página do filme no Facebook  https://www.facebook.com/quilomboriodosmacacosofilme 

Morre o Sambador Manezin de Izaias

10/02/2015
Foto semana Cultural Riachão - Evandro Matos

Foto semana Cultural Riachão – Evandro Matos

Por Josias Pires

Acabei de receber a notícia por meio de mensagem eletrônica encaminhada pelo jornalista Evandro Matos. A morte colheu o sambador na noite de segunda-feira passada (09), em sua residência, na avenida J.J. Seabra, Riachão do Jacuípe, a cerca de 200 Km de Salvador.

Afamado sambador de Riachão do Jacuípe, Manezin de Izaias é co-autor de um dos grandes sucessos do Carnaval da Bahia, a música “Quixabeira”, adaptada por Carlinhos Brown e gravada pelo próprio Brown e mais Caetano Veloso, Gal Costa, Maria Betânia, Gilberto Gil, banda Cheiro de Amor e muitos outros:

https://www.youtube.com/watch?v=3QjsedRXg9Q

A canção “Quixabeira”, na verdade, é uma colagem que Carlinhos Brown fez de três músicas gravadas originalmente como de domínio público no long-play “Da Quixabeira Pro Berço do Rio” , produzido por Bernard von der Weid, em 1992, reunindo 40 cantos de trabalho, chulas, batuques e rodas de quatro município do sertão da Bahia (Feira de Santana, Serrinha, Araci e Valente). Leia o resto deste post »

O Brasil no olhar dos viajantes – João Carlos Fontoura

20/07/2013

“Documentário sobre os relatos estrangeiros das primeiras viagens feitas ao país, entre os séculos XVI e XIX, e a influência que tiveram na construção da imagem do Brasil no exterior e entre os próprios brasileiros. O filme resgata testemunhos de homens que viram um país ainda desconhecido, primitivo e exótico tecer as bases de sua sociedade e de sua história”.
Documentário de João Carlos Fontoura difundido pela TV Senado.

Pela extinção da PM

16/06/2013

Por Vicente Safatle,professor livre-docente do Departamento de filosofia da USP (Universidade de São Paulo).
Folha de S. Paulo

No final do mês de maio, o Conselho de Direitos Humanos da ONU sugeriu a pura e simples extinção da Polícia Militar no Brasil. Para vários membros do conselho (como Dinamarca, Espanha e Coreia do Sul), estava claro que a própria existência de uma polícia militar era uma aberração só explicável pela dificuldade crônica do Brasil de livrar-se das amarras institucionais produzidas pela ditadura.

No resto do mundo, uma polícia militar é, normalmente, a corporação que exerce a função de polícia no interior das Forças Armadas. Nesse sentido, seu espaço de ação costuma restringir-se às instalações militares, aos prédios públicos e aos seus membros. Leia o resto deste post »

Exumação de D.Pedro I e suas mulheres

22/02/2013

dompedro1 tomografia
Tomografia dos restos mortais de D. Pedro I

Pela primeira vez em quase 180 anos foram exumados para estudos os restos mortais de Dom Pedro I, o primeiro imperador brasileiro, e de suas duas mulheres: as imperatrizes Dona Leopoldina e Dona Amélia. Os exames, realizados em sigilo entre fevereiro e setembro de 2012 pela historiadora e arqueóloga Valdirene do Carmo Ambiel, com o apoio da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, revelam fatos até então desconhecidos da família imperial brasileira e compõem um retrato jamais visto dos personagens históricos, cujos corpos estão na cripta do Parque da Independência, na zona sul da cidade, desde 1972. Leia o resto deste post »